Alguns hábitos alimentares podem influenciar diretamente a saúde odontológica. Nessa afirmação não falo apenas dos perigos da sacarose com a saúde bucal como já é mundialmente conhecido. Mas também de outras substâncias nocivas ao órgão dental e das características fisiológicas de nossos pacientes atletas em relação a sua dieta e desempenho esportivo.

Nesse caso, a atenção deve ser redobrada devido a vários fatores. Cada modalidade esportiva demanda um biotipo, que exige uma dieta específica. Por exemplo: atletas endomórficos (de porte robusto) precisam de uma dieta mais rica em carboidratos, e isso pode comprometer a saúde bucal por várias razões.

O carboidrato passa por um processo de fermentação e se transforma em açúcar e consequentemente em um ácido utilizado pelas bactérias orais na formação da cárie dentária. Esse processo é ainda mais perigoso quando falamos em atletas que utilizam-se de carbogel, um produto feito propriamente para abastecimento energético de atletas que não podem parar durante as provas, como é o caso das maratonas.

Acontece que, quando atletas realizam provas de longa duração, ocorre uma alteração na produção de saliva, diminuindo o fluxo salivar (Fluxo normal: 1 a 2 ml/min Fluxo reduzido: 0,7 a 0,9 ml/min Fluxo severamente reduzido: abaixo de 0,7 ml/min), deixando a boca seca.

A presença do fluxo salivar é o responsável pelo efeito tampão que protege o órgão dental e estruturas orais adjacentes. A falta de salivação expõe o meio oral a uma fraqueza, predispondo lesões e desenvolvimento de doenças bucais.

Carbogel

O carboidrato em gel é ingerido em média a partir de 50 minutos de atividade. Por isso, é recomendado, após a atividade, ingerir 200ml de água para evitar o alojamento e o desenvolvimento bacteriano.

Isotônicos

Outro ponto importante são as bebidas esportivas, mais conhecidas como isotônicos, que são responsáveis pela reposição energética. Essas bebidas são severamente ácidas, com PH (potencial de hidrogênio) menor que a de um refrigerante (3,5 a 2,5), como podemos ver na tabela abaixo.

Mesmo com a presença da saliva o isotônico é nocivo a saúde bucal e principalmente ao órgão dental. Se utilizarmos o mesmo exemplo de um atleta de provas longas, onde existe a falta da proteção salivar, a utilização de um isotônico nessas condições é extremamente danosa, a curto, médio e longo prazo.

Sua acidez causa a desmineralização do esmalte dentário, desgastando a estrutura e enfraquecendo o dente, causando além da sensibilidade dentinária, a predisposição de doenças bucais mais sérias.

Um atleta que apresenta doenças bucais em larga escala, ou dentes desgastados, sofre além de dor e sensibilidade, alterações da dimensão vertical da mordida. Essas alterações causam corrupções na oclusão dentária (a forma como os dentes se tocam) e podem comprometer até mesmo a postura do atleta.

Quanto maior for o volume da cavidade oral, maior será sua eficiência de mastigação, e seu aproveitamento energético também. Pacientes que apresentam um volume oral reduzido pela falta de dentes não estão habituados a mastigarem de forma adequada e, por consequência, desenvolvem um aproveitamento energético aquém do ideal.

Orientações ao atleta

O objetivo dessa matéria é alertar os danos que certas substâncias e dietas seguidos pelos atletas podem causar a saúde bucal. Porém, sabemos que não podemos restringi-los, pois são de suma importância também ao desempenho esportivo. Abaixo, listo algumas orientações importantes que a Federação Internacional de Futebol (FIFA) passa ao seu Centro de Excelência Médica para orientar os atletas que seguem essa dieta.

• Diluir as bebidas com água engarrafada;
• Enxaguar a boca com água imediatamente após o uso;
• Use as bebidas esportivas refrigeradas para reduzir o efeito erosivo;
• Use cremes dentais especiais como “Regenerate” para promover a remineralização do dente;
• Evite o uso imediatamente antes do sono, quando a ação da saliva também é reduzida.

Não podemos alterar a dieta de um atleta, da mesma forma que o mesmo não pode ser negligente a seus efeitos bucais. É importante que haja um equilíbrio. Se você é atleta e procura atenção especial a sua saúde, procure além de uma nutricionista esportiva, um dentista especialista em esporte.

Gostou do artigo? Se tiver qualquer dúvida deixe aqui nos comentários que responderemos nos próximos artigos.

Um abraço!

Inscreva-se em nossa Newsletter!

Fique por dentro de todas as novidades sobre a Odontologia do Esporte

Verifique seu e-mail para confirmar a sua inscrição!